Tag preço da passagem

Passagem de ônibus do Rio Grande do Sul está 11% mais barata

passagem barataO preço das passagens de ônibus interestaduais conhecidas como “Pinga-Pinga”, ou seja, aqueles com paradas nos pontos, entre o embarque e o desembarque, ficará 11% mais em conta, a partir da semana que vem. Atualizada pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), a tabela irá retroceder o valor que havia sido reajustado no mês passado, em mais de 7% – de lá pra cá, o Daer passou a calcular os novos valores para que o serviço não fosse prejudicado. Além disso, a redução atende a uma medida cautelar do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS), que determina que a tarifa de embarque não seja cobrada por quem não usa as estações rodoviárias para viajar de ônibus em qualquer cidade do Rio Grande do Sul.

O Daer informou que a partir do dia 13, os motoristas de todas as empresas operantes, receberão a tabela atualizada para aplicação do valor corretamente, inclusive sobre a isenção da taxa de embarque para quem apenas utiliza ao serviço nos pontos ao longo do trajeto, dentro dos coletivos interurbanos. Todas as cidades do Sul que possuam ônibus intermunicipais nesta modalidade, ou seja, que aceitem o embarque de passageiros em pontos fora de terminais rodoviários serão beneficiadas com a redução no valor da tarifa.

Recalculando o valor das passagens

O estudo realizado pelo Daer depois de uma denúncia enviada ao TCE-RS confirmou que os cálculos que redigiam o preço das passagens nos últimos três anos, era indistinta de alíquota de 11%, destinada a cobrir os serviços prestados pelas rodoviárias, ainda que parte dos usuários não embarque nas próprias rodoviárias. Ficou comprovado o enriquecimento indevido das concessionárias atuantes, sobrepreço dos serviços desta categoria e prejuízo por parte do consumidor final. Ainda tramita sem aprovação do conselho a medida cautelar que prevê a redução.

Cai o preço de passagens de ônibus em Duque de Caxias

preço baixoDesde o começo de setembro, 14 linhas de ônibus de Duque de Caxias ficaram mais baratas. A redução no valor das passagens de ônibus na Baixada Fluminense representa uma redução de 22,72% sobre o valor que era aplicado. Os passageiros agora desembolsar R$ 4,25 para embarcar, antes o preço da passagem era R$ 5,50. Uma das queixas de quem utiliza o transporte coletivo é com relação a conservação dos ônibus e do próprio atendimento, que para muitos, não é compatível com o valor cobrando. O decreto assinado pelo prefeito Washington Reis, depois de uma ação popular protocolada no Ministério Público, vai padronizar o valor máximo das passagens em 14 pontos da cidade.

Antes da medido, as empresas não seguiam um valor único e a cobrança era feita de acordo com critérios das próprias operadoras. A tarifa mais barata da cidade custa R$ 4, diferente dos outros 40% das linhas que terão de reduzir o preço praticado atualmente. Apesar da redução já vigorar com a parceira firmada entre Prefeitura e as companhias, o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários em Duque de Caxias (Setransduc) informou que as empresas de ônibus avaliarão a situação financeira durante os próximos 30 dias, com a redução. Já que muitas alegam não suportar a queda de arrecadação.

As linhas que terão a redução no valor das tarifas são:

  • Duque de Caxias x Parada Angélica (Auto ônibus Vera Cruz)
  • Duque de Caxias x Nova Campinas (Auto ônibus Vera Cruz)
  • Duque de Caxias x Parada Morabi (Transporte e Turismo Machado)
  • Duque de Caxias x Imbariê (Transporte e Turismo Machado)
  • Duque de Caxias x Nova Campinas (Transporte e Turismo Machado)
  • Duque de Caxias x Nova Campinas (Transturismo Rei)
  • Duque de Caxias x Parque Independência (Transturismo Rei)
  • Duque de Caxias x Nova Campinas – V. Maria Helena (Transturismo Rei)
  • Duque de Caxias x Xerém (Viação União)
  • Duque de Caxias x Capivari (Viação União)
  • Duque de Caxias x Bom Retiro (Viação União)
  • Duque de Caxias x Ilha (Viação União)
  • Duque de Caxias x Petrobrás (Viação União)
  • Parque Duque x Ana Clara (Viação União)

Reajuste da gasolina afeta preço de passagens pelo Brasil

litro de gasolinaO preço da passagem de ônibus no Brasil é um dos prejudicados com o aumento nos impostos PIS e Cofins cobrados sobre combustíveis, anunciado recentemente pelo governo. De acordo com economistas, não é só a conta de quem abastece o tanque de gasolina que vai aumentar, já que há vários serviços de áreas distintas que podem impactados com a ação. Os alimentos é um dos exemplos dessa lista. Os fretamentos, principalmente os que são ligados ao setor de turismo com operação de linhas de longa distância também devem sofrem com o reajuste.

Com o aumento anunciado, o litro de gasolina passou a custar litro de 38 centavos para 79 centavos por litro. O objetivo é gerar uma arrecadação extra de 10,4 bilhões de reais neste ano para cobrir o rombo nas contas públicas. Para especialistas, este aumento interfere diretamente na logística de matérias primas e produtos industrializados, tornando o material de consumo mais caro para o consumidor final. O impacto, no entanto, deve começar a ser percebido agora, se alastrando com maior veemência no final do ano, quando a procura pelos serviços rodoviários é mais acentuada.

O custo é repassado na inflação de mês em mês, e o brasileiro vai sentindo o efeito da medida, gradativamente. A FGV/IBRE prevê que o aumento dos impostos sobre o combustível terá um peso de 0,4 ponto percentual na inflação, mantendo a média percentual do IPCA [Índice de Preços ao Consumidor Amplo]. Dos três combustíveis disponíveis no mercado, a gasolina foi a que mais sofreu. O etanol por sua vez, se tornou uma alternativa para minimizar o reajuste. A diferença entre os PIS/Cofins da gasolina e do etanol passou de 26 centavos para 46 centavos. A Petrobras anunciou nesta no final de julho um aumento de 1,8% nos preços do  vendido nas refinarias.

Passagens de ônibus de MG estão com preços promocionais

preço promocionalO transporte coletivo rodoviário intermunicipal de Minas Gerais está oferecendo promoções aos seus usuários, em parceria com o Sindpas – Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Minas Gerais. Os preços promocionais que já são praticados no modal aérea têm como objetivo trazer de volta boa parte dos passageiros dos últimos dois anos deixaram de utilizar o serviço por conta da recessão econômica e do aumento na oferta de transporte clandestino com preços mais acessíveis.

A medida foi autorizada pelo governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop-MG), através da resolução Setop 013/17. A partir de agora, os valores passam a ser definidos para cada linha a tarifa-teto, e não mais aquele a ser cobrado obrigatoriamente de cada passageiro. As promoções e os descontos no preço das passagens também já podem ser vistos em linhas interestaduais de Minas Gerais, com autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Para o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Murilo Valadares, um dos apoiadores do projeto, a flexibilização no valor das passagens, além de ser um benefício para o usuário, permite que as concessionárias “trabalhem da forma que melhor lhes convier, de acordo com o fluxo de demanda”.

Apesar da promessa ser de redução, a falta de demanda pode resultar em passagens ainda mais caras, já que as operadoras irão diminuir o valor conforme o aumento no número de embarques. A expectativa da Setop é que a medida não reduza a arrecadação dos impostos incidentes no setor, que são o PIS (0,36%), Cofins (3%) e ICMS (6%), levando em consideração estes parâmetros. A comercialização flexível das passagens também deve combater o transporte irregular de táxi-lotação e vans clandestinas, que hoje representam uma perda de mais de 400 mil passageiros por mês.

Valor de passagens aéreas pode mudar a cada minuto

passagens aéreasPor incrível que pareça, o preço das passagens áreas pode variar de minuto a minuto, tornando a conquista pelos descontos ainda mais complicada. Especialistas afirmam que a velha manobra corriqueira de economizar nas passagens de avião, comprando-as com bastante antecedência nem sempre garante o melhor preço. O Núcleo de Estudos em Competição e Regulação do Transporte Aéreo (Nectar) explica que o preço final de cada assento é gerado através de uma combinação de critérios organizadamente avaliados de minuto a minuto por softwares de última geração. Eles funcionam como uma bolsa de valores, levando em consideração o preço praticado de acordo com a oferta e a demanda.

Se a companhia área é informada de que determinado voo tem muita procura, a tendência é reajustar o preço final da passagem. O contrário pode acontecer quando a oferta é maior e a procura menor, ai há possibilidade de baixar os preços para que o voo atinja a ocupação mínima estipulada. Mas não se anime, porque os dias da semana, horários do voo, número de escalas e até mesmo risco de atraso podem interferir diretamente no valor que você paga para embarcar em uma aeronave.

Qual é a ocupação mínima das companhias de avião?

Segundo site especializado no setor aéreo, as empresas estimam que todas as aeronaves devem voar com no mínimo 60% de sua capacidade – este é o parâmetro seguro para que as operadoras possam subsidiar seus custos durante a viagem. Uma curiosidade é que no modal rodoviário também há uma estimativa mínima de operação em linhas de longa distância, a diferença entre os serviços é de que no rodoviário o passageiro não paga mais pela demanda, já que as empresas remanejam seus próprios embarques para cobrir o mínimo de capacidade estipulado pela diretoria.

Passagem de ônibus de Porto Alegre fica mais cara em julho

ônibus Porto AlegreAlém da capital do Rio Grande do Sul, mais 33 municípios que compõem a região metropolitana de Porto Alegre terão reajuste no preço da passagem rodoviária interestadual. A tarifa ficará 6,24% mais cara a partir da 0h de quinta-feira (1). Apesar de ter aprovação da população, o reajuste foi aprovado pela Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado (Agergs) e divulgado pela Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan). Para os especialistas, o reajuste deveria ter acontecido há cerca de um ano e só agora foi aprovado e autorizado pela agência.

Assim que o mês de julho começar, o preço das passagens de 22 empresas de ônibus com operação em uma das 34 cidades que compõem a região metropolitana do sul do Brasil. Também é importante destacar que o valor final das tarifas pode variar conforme a duração de cada itinerário. A maioria das auto viações queriam pelo menos 7% no reajuste dos impostos que alteram o valor final da passagem, solicitando revisões nos impostos e inflações revistas em contrato. Além do reajuste que apenas representa um aumento parcial deste pedido, a Agergs irá analisar os contratos em vigência, no ano que vem. Em 2016, o reajuste nas tarifas referentes aos ônibus intermunicipais da região foi de 14,87%. Em 2015, o aumento foi de 10,51%.

Números

Nos últimos três anos, Porto Alegre e as demais cidades que compõem a região metropolitana do Rio Grande do Sul têm enfrentado uma quede de pelo nos 20% o número de passageiros rodoviários. Só no ano passado, foram mais de 30 mil passagens a menos, em comparação com o mesmo período. Para as companhias, a queda está ligada ao desemprego. Quando o trabalhador está desempregado ele deixa de usar o vale-transporte, o que diminui a quantidade de pessoas transportadas.

Municípios que receberão o ajuste no valor da passagem rodoviária:

  • Alvorada
  • Araricá
  • Arroio dos Ratos
  • Cachoeirinha
  • Campo Bom
  • Canoas
  • Capela de Santana
  • Charqueadas
  • Dois Irmãos
  • Eldorado do Sul
  • Estância Velha
  • Esteio
  • Glorinha
  • Gravataí
  • Guaíba
  • Ivoti
  • Igrejinha
  • Montenegro
  • Nova Hartz
  • Nova Santa Rita
  • Novo Hamburgo
  • Parobé
  • Portão
  • Rolante
  • Santo Antônio da Patrulha
  • São Jerônimo
  • São Leopoldo
  • São Sebastião do Caí
  • Sapiranga
  • Sapucaia do Sul
  • Taquara
  • Triunfo
  • Viamão

Campinas tem a 2ª passagem rodoviária mais cara do Brasil

passagem rodoviária caraA cidade de Campinas, no interior de São Paulo tem atualmente o segundo maior valor de passagens rodoviárias para o transporte público do Brasil, perdendo apenas para Brasília, no Distrito Federal. Atualmente, quem viaja de ônibus dentro da cidade de Campinas tem que pegar R$ 4,50 por cada embarque. A tarifa ficou 18% mais cara neste mês, aumentando o serviço de antes era vendido por R$ 3,80. No Distrito Federal, a passagem é vendida a R$ 5,00 em algumas linhas urbanas da cidade, além do metrô. No pálio, ocupando o segundo lugar das cidades mais caras em viagens de ônibus estão as cidades de Guarulhos e Joinville, em Santa Catarina – ambas também cobram de seus bilhetes rodoviários R$ 4,50.

Na capital de São Paulo, a Justiça conseguiu suspender o aumento no último dia do ano passado. A alta que chegava a quase 20% sob o valor atual, passou a ser aplicada um dia após o anúncio oficial. O preço da passagem de R$ 4,50 também é o mesmo em Pouso Alegre, município de Minas Gerais, porém só voltado a linhas que atendem trajetos rurais. No setor urbano da localidade, os passageiros pagam R$ 3,30. Durante os seis primeiros meses deste ano, pelo menos 30 municípios brasileiros já anunciaram reajustes no preço das passagens rodoviárias.

Ônibus de Campinas

Segundo a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), os usuários do Bilhete Único geram desconto de R$ 0,30 sob o valor da passagem atual, isso quer dizer que um embarque reservado com o bilhete comum não deve sair por mais de R$ 4,20. O Bilhete Único Vale Transporte custa R$ 4,50, enquanto que o Cartão Especial vale R$ 4,50. Os preços praticados com o novo reajuste também geraram alteração para o Bilhete Único Escolar no valor R$ 1,68 e o Bilhete Único Universitário por R$ 2,10. As integrações também sofreram mudanças. Agora, após o passageiro subir no terceiro ônibus (ou seja, a segunda integração) em um período de até duas horas, pagará uma taxa de R$ 0,30. Antes o serviço era gratuito.

Justiça determina aumento no preço da passagem do Rio

passagens de ônibus Rio de JaneiroAs empresas Intersul, Internorte, Transcarioca e Santa Cruz tiveram pedido de aumento tarifário das passagens municipais do Rio de Janeiro, acatado pela juíza da 15ª Vara de Fazenda Pública do Rio, Roseli Nalin, nesta última quinta (25). Através de uma liminar, a justiça está determinando que o valor atual de R$ 3,80 passa a ser operadoro com ajuste de 3,9%, ou seja, R$ 3,95 para cada embarque em um dos ônibus que circula em  linhas municipais da capital carioca. O pedido de liminar feito em 24 de abril vai contrário a decisão da prefeitura da cidade, que pretende recorrer para manter o valor atual. Segundo os donos das empresas de transporte, a prefeitura descumpriu o contrato de concessão ao não autorizar o reajuste da tarifa.

Por lei, a prefeitura do Rio tem 10 dias para informar os passageiros sobre o aumento, e também que o reajuste está sub judice. O aumento no preço da passagem rodoviária deverá ser praticado um dia depois do prazo dado a prefeitura. Para a administração pública da capital, a construção dos corredores exclusivos para ônibus, os conhecidos BRTs, reduziram boa parte dos custos operacionais das empresas concessionárias do transporte rodoviário do Rio de Janeiro, e ainda alegou que as mesmas não cumpriram decisão judicial para instalação de climatizadores em todos os veículos de sua frota.

Na versão dos donos da Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca há prejuízos ligados a expansão no quadro de passagens gratuitas, além do congelamento no aumento das tarifas rodoviárias entre os anos de 2012 e 2014. Os concessionários também culpam a prefeitura a autorizarem a circulação de vans em itinerários coincidentes aos percorridos pelas linhas de ônibus. Com a mudança a prefeitura do Rio de Janeiro temo que haja  protestos por partes de sindicalistas e usuários do setor rodoviário.

Preço da passagem de ônibus é reajustado em Fortaleza e Recife

Fortaleza O valor da passagem rodoviária para passageiros de Fortaleza ficou mais caro, desde o dia 10 de janeiro. De acordo com a Etufor, o preço da passagem praticado atualmente na capital cearense é de R$ 2,75, e a meia, R$ 1,30. Este é o primeiro aumento desde que a prefeitura reajustou as passagens em outubro de 2015, elevando o preço médio da viagem rodoviária em 35 centavos. A nova tarifa foi apresentada por representantes da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) e da Cooperativa dos Transportadores Autônomos de Passageiros do Estado do Ceará (Cootraps).

Ônibus de Recife

Sexta-feira 13 realmente não é um dia de sorte, principalmente para quem mora na região metropolitana de Recife e depende do transporte rodoviário. Desde o final de semana, o preço da passagem está mais caro embarcar nos veículos que circulam pela capital. O aumento anunciado pelo CSTM – Conselho Superior de Transporte Metropolitano é de 14,26%, o equivalente a uma tarifa no valor de R$ 3,20. Antes do reajuste, o pernambucano pagava apenas R$ 2,80 para viajar.

O preço da passagem para o anel B também aumentou, saltando de R$ 3,85 para R$ 4,40. O valor para viagens no anel D está R$ 3,45 e anel G por R$ 2,10. A medida gerou tumulto e protesto na BR 101, organizado por estudantes e integrantes de um grupo de protestantes a favor de melhorias no transporte público. A polícia precisou interver no local e houve agressão física.

Crise pode antecipar aumento das passagens neste fim de ano

Preço de passagens de fim de ano.

Preço de passagens de fim de ano.

O momento de instabilidade financeira vivido pelo país pode antecipar o reajuste de passagens rodoviárias em diversos estados do Brasil. Pelo menos é isso que está acontecendo em algumas capitais brasileiras. Com o preço do combustível mais caro, e os impostos acompanhando a inflação, a ordem é ajustar o “caixa”. Muitas empresas rodoviárias garantem que não terão recurso suficiente para operar nos mesmos modais, até o começo do ano que vem, quando os custos são recalculados.

Campo Grande
O transporte coletivo de Campo Grande foi um desses exemplos. Por lá, o preço da passagem rodoviária já está 16.6% mais caro. O bilhete rodoviário subiu de R$ 3 para R$ 3,50. A empresa de ônibus que atua em linhas municipais disse que a redução no número de passageiros pagantes e o aumento de mais de 14% sobe o preço do óleo diesel, tem impactado no reajuste precoce das passagens. O aumento é superior à inflação acumulada nos últimos 12 meses, 9,82%, segundo o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) calculado pela Nepes da Uniderp.

Belo Horizonte
Na capital mineira, os passageiros de ônibus também receberam o presente de Natal mais cedo, este ano. O valor da passagem de R$ 3,10 passa a ficar 0,30 mais caro. O preço da tarifa das linhas circulares e alimentadoras (ônibus na cor amarela) saem de R$ 2,20 para R$ 2,45; de vilas e favelas (micro-ônibus na cor amarela) de R$ 0,70 para RS 0,75; as executivas linhas longas de R$ 5,80 para R$ 6,40; e as executivas linhas curtas de R$ 4,65 para R$ 5,15. Já os ônibus suplementares terão passagens nos valores de R$ 2,45, R$ 2,75 e R$ 3,40. Até o táxi-lotação sofreu aumento de R$ 3,40 para R$ 3,75.

Fato interessante
Apesar de algumas cidades registrarem queda no número de passageiros pagantes, é inegável que a procura pelo serviço rodoviário tenha sido positiva na última década. Só em Campo Grande, dos últimos 10 anos, o número de embarques cresceu 9,27%, saltando de 197,5 mil para 215,8 mil viagens. No entanto, deve se destacar que o serviço de transporte público registrou neste ano uma queda de 1,1% no volume total de passageiros transportados – o número significa cerca de 3 mil embarques.

Copyright © Preço de passagens de ônibus
CENTRAL DE PASSAGENS RODOVIÁRIAS

Built on Notes Blog Core
Powered by WordPress